Plastic or paper?

Publicado: 10/06/2008 em MARKETING
Tags:, , , ,

Em 1999 fiz a minha primeira viagem internacional. Minha esposa (minha namorada na época) tinha dois primos morando na costa oeste e resolvemos aproveitar a oportunidade. California é um dos Estados com o custo de vida mais alto. E San Francisco, a cidade onde na época os primos moravam, era mais cara ainda. Mas, San Francisco é San Francisco. Que cidade linda! Quantos lugares, quanta história! E um dos pontos históricos é que me fez lembrar de uma história bem interessante,

Quando chegamos lá, não tínhamos guia, mapa, coisa nenhuma. Somente as referências que os primos nos deram. Eles não podiam nos acompanhar o tempo todo, pois trabalhavam durante o dia. Então, nos restava pegar um Muni qualquer e sair sem destino. Sem querer, numa dessas nossas andanças, caímos numa rua que tem muita história para contar: a Haight Street. Ela foi por muito tempo o epicentro do movimento hippie e muitos dos seus expoentes começaram a dar as caras por lá. A rua, na época em que estive lá, ainda mantinha sua aura alternativa, mas bem distante da ‘riponguice’ da década de 1970 (graças a Deus!). Muitas lojas de roupas bacanas e descoladas, muitos estúdios de tatoo e piercing, algumas galerias de arte, restaurantes e cafés bem legais e a loja de discos mais bacana que conheci: a Amoeba Music.

Dificilmente você achará lá qualquer uma dessas farofas que rola na Jovem Pan ou Transamérica. Mas esse não é o caso. Depois de passear pelos corredores e escutar e comprar um monte de sons que nunca havia ouvido falar ou que não achava em lugar nenhum depois de tê-los escutado há mais de cinco anos, era hora de ir ao caixa e pagar. Como já estava há alguns dias, confiei no meu ingês e tentei engatar uma conversa com a caixa, perguntando se, além do que estava levando, ela me recomendaria mais alguma coisa (os funcionários que trabalham lá realmente gostam do que tem lá). Como a maioria dos americanos, ao perceber que não era um nativo, me respondeu com certa frieza que o que eu levava já era legal o suficiente e encerrou a conversa dizendo o quanto eu deveria pagar. Enquanto separava o dinheiro, ela lança uma pergunta: “Plastic or paper?” Eu me lembrava que a palavra genérica para cartão de crédito ou débito em inglês era plastic. Mas paper para dinheiro? Sem pudor nenhum, perguntei num inglês bem xexelento se ela estava falando sobre a forma de pagamento. Mais uma vez, com aquela simpatia americana aos estrangeiros, ela me respondeu que se tratava do tipo de sacola que eu gostaria de levar meus CDs. Escolhi papel, não sei bem o porquê e fui embora. Em casa, um dos primos me explicou que havia uma onda de consciência ecológica assombrando a América há um bom tempo.

De volta ao ano 2008. Já tem um tempão, também, que o ecologicamente correto tem impregnado toda e qualquer tipo de relação, caso ou situação. Por exemplo, quando trabalhei na Ri Happy Brinquedos (de longe, o melhor lugar em que trabalhei, em todos os sentidos), no meu primeiro mês já detectei um problema: uma sacola grande da loja, rasgada no fundo, espalhando todo o lixo que estava dentro dela pela calçada de uma movimentada avenida de São Paulo. Como estava a pé, desacelerei o passo para observar a cena. Todo mundo que passava por ali, tinha que desviar do lixo e do saco, com um desenho colorido do Solzinho e letras vermelhas e amarelas gritando Ri Happy Brinquedos. Eu, pessoalmente, achei que aquilo depreciava a marca: um saco da loja sendo usado como saco de lixo. Além de ter me incomodado bastante por conta dos discursos recorrentes a respeito de conservação da natureza através da reciclagem.

Mas isso é inevitável. Atire a primeira pedra que nunca usou um saquinho de supermercado no lixinho do banheiro. Atualmente, algumas redes de varejo têm tentado fazer seus clientes a comprarem uma sacola personalizada para levar suas compras em vez do saquinho de plástico, por conta da tal onda ecológica. E essa tal onda ecológica vem causando um certo desconforto nas empresas produtoras do saquinho ou da sua matéria-prima. E apesar de toda apologia feita massivamente nesses últimos tempos, eu e quase todo mundo continuamos usando saquinhos plásticos. O fato é que, apesar do caso que contei acima e apesar do nosso sistema de coleta de lixo está um pouco melhor (comparada com a de Nápoles, claro), a onda ecológica também deve ser um estímulo para as empresas criarem outras maneiras (inclusive que não sejam cobradas) de seus clientes carregarem suas compras para casa. Não deve ser muito agradável ver sua marca boiando no rio Pinheiros, em meio a um monte de lixo.

Além de não ser ecologicamente correto, não é uma mídia muito recomendada.

Obs.: Imagem surrupiada daqui.

Anúncios
comentários
  1. Posso postar este texto em meu blog?

    PS: Gostei *.*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s