Stick Marketing

Publicado: 04/06/2008 em MARKETING
Tags:, ,

adesivo de carro

Ontem, ao sair do meu prédio para levar minha filha à pediatra, um carro saiu de uma outra garagem, em marcha à ré, sem olhar para trás e em alta velocidade, quase batendo no meu carro. O desenrolar foi o de sempre: buzinas, sinais não muito amigáveis e caras feias. Nada além disso, ainda bem (pois atualmente, uma brecada ou buzinada pode lhe custar uma pancada com uma barra de ferro na cabeça ou um tiro…).

Durante todo o caminho, muitos outros “distraídos” e “donos de todas as faixas da avenida” cruzaram pelo meu caminho. Muitos deles, carros de empresas ou com adesivos fazendo publicidade de alguma empresa, site ou partido. Duas coisas me passaram pela cabeça durante o trajeto minha casa – consultório médico: cada vez mais tem gente comprando a carteira sem fazer exame e que daria um jeito de boicotar o que quer que estivesse sendo representado naqueles adesivos ou carros. Dito por mim, isso pode soar tendencioso, já que sou tido como uma pessoa não muito simpática com aqueles que pisam no meu calo. Mas, pensando um pouco mais friamente, isso que os carros adesivados fazem podem, além de incomodar um chato como eu, denegrir a empresa iconizada pelo aplique ou adesivo.

Essa conclusão estava sendo formada na minha cabeça já há um bom tempo. Me lembro de, quando tinha por volta de uns 22 anos, ter sido fechado por um carro completamente adesivado com propaganda de um deputado. Sem pestanejar, sentei a mão na buzina e disse algumas palavras amáveis ao aprendiz de piloto do outro carro. Não sei porque, mas o outro motorista não gostou e veio tirar satisfação. Após alguns segundos de trocas de insultos, finalizei a discussão com um sonoro “E pode ter certeza que nem eu, nem ninguém do meu círculo de relacionamento, votaremos na #%*&@ do seu deputado”. E, de fato, fiz questão de queimar o nome do tal deputado com todos com quem conversava.

Voltando para o presente, percebo que esse tipo de caso pode acontecer não só em épocas de Propaganda Eleitoral. Por exemplo, você está indo para o seu trabalho e é fechado por um carro adesivado com o logo da Brahma, tudo porque o motorista estava falando com o chefe pelo celular enquanto dirigia. Lá na frente, ele fecha mais uns quatro ou cinco e bate num ônibus lotado. Até o acidente, o motorista do carro da Brahma fez, contando com você, pelo menos umas cinco pessoas ficarem bastante “felizes”. Imagine quantas mais dentro do ônibus lotado! E os outros motoristas, pedestres e passageiros de outros ônibus que não se envolveram no acidente, mas que presenciaram o acidente (fora aqueles que, por conta da necessidade mórbida em ser testemunha ocular da desgraça alheia, passam beeeeeeeeem devagarinho pela cena). O comentário, queiram ou não, será: ” ‘Cê viu aquele carro da Brahma que bateu no ônibus e atrapalhou todo o trânsito na 23 de maio?!” E se o carro não fosse um carro, mas, sim, um caminhão carregado de cascos (eu e essa minha mania velha de usar gíria de velho)? Eu imagino uma cena aérea no SPTV, mostrando “um acidente envolvendo um caminhão de entrega de bebidas e um ônibus lotado” e que “o caminhão ficou atravessado e toda a bebida espalhada pela avenida”. Corta, passa para o link da repórter na avenida que mostra uma caçamba de caminhão tombada, com o belíssimo e colorido logo da cervejaria, bem grande, aplicado na traseira do caminhão, convenientemente captado pela câmera, num ângulo bastante privilegiado. O comentário não seria diferente do anterior, com a excessão que o ” ‘cê viu” viria precedido de “aquele baita caminhão da Brahma, que derrubou aquele monte de cerveja no meio da avenida e #$@%& com todo o trânsito”. Nos dois casos, o comentário foi referenciado pela cervejaria.

Me lembro como se fosse hoje, quando completei o ciclo básico no meu primeiro ano no Exército, o tenente comandante do meu pelotão dizendo que agora poderíamos voltar para casa, que poderíamos andar na rua corretamente fardados e que, a partir daquele momento, teríamos que ter muito cuidado e atenção com nossa conduta, pois éramos representantes do Exército Brasileiro. Se fôssemos apanhados fazendo qualquer besteira, não era o Aluno Brito, mas, sim, “aquele militar do Exército” que agiu errado. Além desse último caso verídico e dos outros dois fictícios anteriores, vocês já devem ter ouvido ou presenciado muitas outras histórias parecidas.

O ponto em que eu quero chegar é que muitas empresas, sejam elas quatrocentonas ou iniciantes, acham que basta colocar um adesivo bem posicionado no carro, ou envelopá-lo com a identidade, cores e marca da empresa. A marca ficará, em alguns casos, satisfatoriamente visível. Com alguma sorte, no caso daqueles adesivos que ficam ao lado do que costumo chamar de Nossa Senhora do Capô, a marca ficará registrada em algum canto obscuro da mente, até que seja recuperada por alguma sinapse absurda. Da mesma maneira que o motorista do veículo, que estava fazendo um monte de barbeiragens, falando ao celular, estacionando em algum local proibido ou causando um acidente.

É preciso ter em mente que, para que a lembrança desejada surta o efeito desejado, todos os aspectos devem ser levados em consideração, como atitudes do condutor do veículo, condições do veículo etc. Não basta atribuir a responsabilidade apenas aos adesivos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s